Rodrigo Velloso

Rodrigo_-Velloso-reprodução-PlurAll-News

Rodrigo Antonio Viana Telles Velloso nasceu em 26 de janeiro de 1935, em Santo Amaro da Purificação.

 

É irmão de Caetano Veloso e Maria Bethânia, mas muito mais que isso é um profundo conhecedor da cultura popular, do samba. Inclusive, foi secretário de cultura de Santo Amaro e um dos fundadores do Teatro Vila Velha, em Salvador. Porém, apesar de todo o seu conhecimento, quando perguntado como queria sua identificação no presente trabalho, respondeu:


“Sempre que me perguntam ‘Quem é Rodrigo Velloso’, eu respondo: ‘É filho de Dona Canô’. Tem coisa melhor no mundo, pelo amor de Deus?”

 


E foi com essa simplicidade que Rodrigo Velloso, filho de Dona Canô – e também de Seu Zeca – abriu-nos as portas de sua casa, a mesma casa onde sempre viveu o casal Canô e Zeca, pais de Clara Maria, Maria Isabel, Rodrigo, Roberto, Caetano e Maria Bethânia. Além desses seis filhos biológicos, Seu Zeca e Dona Canô também adotou Nicinha e a caçula Irene.

Dona_Canô_e_os_filhos.jpg

Dona Canô e seus 8 filhos (Rodrigo à direita, agachado).

“Dona Canô”, nascida em 16 de setembro de 1907, é apelido de Claudionor Viana Telles Velloso, apelido esse dado por um menino que não conseguia pronunciar seu nome. Casou-se com Seu Zeca (José Telles Velloso) em 7 de janeiro de 1931. Assim que se casaram, foram morar na casa da mãe de Seu Zeca, a Vó Pomba, formando uma família de 28 pessoas.

Vó Pomba (Maria Clara, mãe de Seu Zeca)

Dona Canô e Seu Zeca

Vó Júlia (Mãe de Dona Canô)

Dona Canô, católica fervorosa, também seguia, de modo absolutamente sincrético, os rituais do candomblé. É Rodrigo quem conta a história: ela primeiro benzia um carro novo, com água do Rio Jordão para, em seguida, benzer o carro com água de Mãe Menininha.

Esse amor à cultura passou aos filhos. De Caetano Velloso e Maria Bethânia, o mundo todo tem conhecimento. Porém Rodrigo não é menos afeito à arte. Já fez teatro, tecelagem, pintura, é um exímio dançarino – a cena em que Rodrigo dança na varanda de sua casa, ao som de "Águas de Março", no filme O cinema falado, de seu irmão Caetano Veloso, é das mais conhecidas do filme.

Como secretário da cultura, mas principalmente como cidadão interessado na cultura, Rodrigo revitalizou e alimenta alguns festejos centrais de Santo Amaro.


O Terno de Reis, o Bembé do Mercado são algumas das festas revitalizadas e promovidas por Rodrigo.

13 de maio

(Canção sobre Bembé do Mercado,

composta por Caetano Velloso)

Dia 13 de maio

Em Santo Amaro
Na Praça do Mercado
Os pretos celebravam
(Talvez hoje ainda o façam)
O fim da escravidão
Da escravidão
O fim da escravidão

 

Tanta pindoba!
Lembro do aluá
Lembro da maniçoba
Foguetes no ar

 

Pra saudar Isabel
Ô Isabé
Pra saudar Isabé

Rodrigo Velloso é, assim como sua mãe e seus irmãos, a representação do Recôncavo, da Bahia.

Na casa de Dona Canô, reinavam e reinam o sincretismo, as artes todas, a mistura, na medida exata.

 

Como ela afirmou, e seu filho Rodrigo repetiu, “o sal é um dom”. A quantidade exata de sal é impossível de se precisar. E a mistura é o tempero exato da vida. Sem ela... “a vida fica insossa”.