Os batuques

Até o século XVIII, usava-se o termo “batuque” para qualquer manifestação de mulheres e homens negros: samba, candomblé, capoeira:

E essas manifestações eram vistas como criminosas.

Na Bahia, o primeiro relato oficial de samba foi realizado pelo carcereiro da prisão municipal de Salvador, ao chefe da polícia:

Ontem quase 9 horas da noite, depois das prisões fechadas, ouvi um alarme, que não podia perceber se era samba de africanos, ou de nacionais [...] vim à guarda informar-me aonde era aquele estrondo, quando vi que era na 4a prisão desta cadeia [...] imediatamente disse ao sargento mandasse a sentinela conter a ordem naquela prisão: cessou o samba [...]

De fato, quem as práticas de origem africana "eram perseguidas, eram estigmatizadas, eram criminalizadas. Quem fosse pego praticando 'capoeiragem', praticando samba... 'vadiagem', era autuado", nas palavras do antropólogo Wilson Penteado.

 

Mas ainda mais contundente do que a polícia, no combate aos "batuques", era a imprensa. Segundo o estudioso Edmar Ferreira dos Santos,

Na cidade de Cachoeira, nas primeiras décadas do século XX, os argumentos do jornal A Ordem contra as reuniões lúdicas e religiosas não-cristãs dos populares se amparavam em princípios legais e morais que reclamavam a ordem pública, a proteção da família, da sociedade e da raça, reivindicando civilização. [...] [essas manifestações culturais] abalavam o sono das famílias honestas e roubavam horas do repouso necessário para enfrentar o seguinte dia de trabalho. Ademais, esses encontros de negros apresentavam sons e cenas "bárbaras", alcoviteirices, que importunavam e ofendiam os olhos e ouvidos, além de degenerarem a "boa sociedade" por ameaçar o "lar sagrado" das famílias.

A gravura, de autoria de Carybé, retrata uma luta de capoeira. Título da obra: Vadiagem.

Reportagens do jornal A Ordem, da cidade de Cachoeira

Manchete do Jornal Diário de Notícias.

(Para ler detalhes, clique sobre cada imagem)

O preconceito cultural ainda é uma realidade presente, no Brasil, como se pode perceber na manchete abaixo, publicada em novembro de 2018.

(Para ler a reportagem completa, clique sobre a imagem)

©FabianaDeLazzari.  Site desenvolvido por Kaza Véia Produções Artísticas. By FPDL.